Pulo do Lobo

quarta-feira, dezembro 14, 2005

Texto grande sem parágrafos e com muitos parêntesis.

Uma pessoa gosta do país em que vive e não há nada a fazer. Parece-me assim essencial que o país se submeta a segunda volta contra o doutor Mário Soares e que o Professor Doutor Aníbal Cavaco Silva ganhe. Assim como na direita há demasiado medo da segunda volta, na esquerda existem demasiadas esperanças. O risco de Mário Soares ganhar é muito menos grave que a falta de clivagem e definição do país com que inevitavelmente vamos ainda chegar à primeria das voltas, onde só os extremos beneficiam. Por essa altura Jerónimo Sousa, Francisco Louçã e Manuel Alegre ainda parecerão candidatos decentes, as três pessoas que congregam sozinhos os piores traços da nação (ainda assim com aspectos adoráveis, pricipalmente se andamos a ler Goethe). Bem sei que muitos dos que apoiam o doutor Mário Soares nutrem pelo nosso Professor e pelo que ele representa a mesma aversão que aqui deixo contra aquele triunvirato da esquerda. Há que, no entanto, ser altivo quando a isso. Parece-me que falamos de reinos diferentes. A reacção de muita da esquerda contra o Professor não é da mesma natureza que a da direita e da parte sã do PS contra aquele tipo de esquerda: no primeiro caso falamos de um deslocamento cultural, quase de nascimento, de uma incompreensão fundamental de vida, das vidas, dos custos e do valor a atribuir a quem apenas quer ser mais rico que o vizinho, e, muito derivado disso, do lugar e da forma mais inteligente de utilizar em beneficio de todos a inevitabilidade humana de coisas como a inveja, o egoísmo, a ganância, a ambição, finalmente, do sentido a dar à Justiça (assim com letra grande para dar ares) neste caldeirão todo; importa aclarar tudo isto o mais possivel, para que racionalmente nos incompatibilizemos cada vez mais e melhor. No segundo caso, penso que se fala do simples, inescapável e transversal bom senso: Jerónimo é soviético e comunista – os “trabalhadores” para ele são um electrodoméstico das suas ideias do mundo e da sua demagogia - , Louçã fala de fora do poder e do eufemismo "esquerda moderna", e, ou abandonaria metade do que diz (que não é muito), ou cairia vítima em três tempos do que há anos vem dizendo (é, nitidamente, um guterres extremado e ainda mais moralista – como inevitavelmente são todos os ateus -, mas cada vez menos extremado, ou, pelo menos, mais escondido, mais esquivo). Manuel Alegre, bem, Manuel Alegre suga-me as palavras. Provavelmente aqui no espaço ninguém concordará comigo, mas o caminho prudente e avisado para Portugal é o da separação das águas do interior do Bloco Central. Só assim nas contas finais ninguém sairá fundamentalmente derrotado, que não há necessidade disso.

6 Comments:

  • At 2:15 da tarde, Blogger el__sniper said…

    Gostei do seu comentário, no geral. Só que gostava de acrescentar dois pontos:
    1 - aquilo que muitas pessoas de esquerda nutrem contra Cavaco é idêntica ao que muitas pessoas de direita (a parte menos sã) nutre contra algumas pessoas de esquerda.
    2 - Acabei por não perceber a parte do Alegre, eu sei que lhe sugou as palavras, mas o que é que ele representa que considera os piores traços da nação? (Quanto a ser pior ou melhor as características apresentadas são ideológicas, e assumo que o que falta ao bloco central é o que a esquerda e direita espanhola têm: mais de clivagens ideológicas e menos de clivagens pessoais).

    Mas no geral e fazendo como um Professor que gosta de dar notas, dou ao post um 17.

     
  • At 2:49 da tarde, Anonymous Sondagem said…

    Este fariseísmo centrista é típico de certos intelectualóides emasculados.
    Deixe-se estar, a primeira parte da sua vontade vai ser feita: vai haver uma segunda volta com Soares.
    E Soares ganha na segunda, helas (para si)...

     
  • At 7:39 da tarde, Anonymous Anónimo said…

    Típico: um é "Professor Doutor", outro "doutor". Por fim chega o simplesmente Louçã.

    Luis Rainha

     
  • At 8:49 da tarde, Anonymous O Marreta said…

    Ainda não percebi como é que um guarda livros chegou a Prof. Dr.
    Não ha duvida que o curso de Economia que ele tirou,e na altura dele como estudante, a esse curso chamava-se o curso de Guarda Livros.
    Como os mestrados e doutoramnetos que por aí ha agora e que se compram, tambem se compraram na altura dele.
    Achava então que se devia chamar a Cavaco Silva o Prof. Dr. Guarda Livros.
    Pela cultura e pela maneira de estar, ficava-lhe bem e estaria de acordo com a pessoa.
    Tambem ha gente que o trata por " O Brôa "

     
  • At 8:50 da tarde, Anonymous O Marreta said…

    Ainda não percebi como é que um guarda livros chegou a Prof. Dr.
    Não ha duvida que o curso de Economia que ele tirou,e na altura dele como estudante, a esse curso chamava-se o curso de Guarda Livros.
    Como os mestrados e doutoramnetos que por aí ha agora e que se compram, tambem se compraram na altura dele.
    Achava então que se devia chamar a Cavaco Silva o Prof. Dr. Guarda Livros.
    Pela cultura e pela maneira de estar, ficava-lhe bem e estaria de acordo com a pessoa.
    Tambem ha gente que o trata por " O Brôa "

     
  • At 12:59 da tarde, Blogger b-site said…

    Acho esta parte muito boa: "do lugar e da forma mais inteligente de utilizar em beneficio de todos a inevitabilidade humana de coisas como a inveja, o egoísmo, a ganância, a ambição".

    Gostava de dizer umas frases compridas sobre o tema e as razões que fazem com que a esquerda ande acabrunhada e a direita aos pulos (referência subtil ao nome deste blog) mas a "força do mal", o trabalhinho, empurra-me agora para outras tarefas menos nobres do que discutir o futuro político da humanidade em janelas do windows (redundância aparente).

    O Cavaco Silva dá sono - o que nem sempre é mau, às vezes apetece dormir.


    Daniel

     

Enviar um comentário

<< Home