Pulo do Lobo

sexta-feira, janeiro 13, 2006

Mensagens para dentro do Partido Socialista

"Desenganem-se os que pensam que se podem desembaraçar de Mário Soares nestas eleições."

Medeiros Ferreira


Nota: Pelos vistos não sou o único a pensar assim.

8 Comments:

  • At 2:02 da tarde, Blogger JCortez said…

    Mais vale um candidato com vergonha de um partido do que um partido com vergonha de um (seu) candidato!

     
  • At 2:16 da tarde, Blogger AJFiel said…

    Deve ser da humidade...o caruncho custa muito a desaparecer. A sabedoria popular afirma a pés juntos que...com um paninho molhadinho...e se esfregarem com força...aquilo saí. Nós sabemos como são por vezes os nossos velhotes...por vezes teimosos, histórias sem mais não ( A favorita é aquela da cavalgada na carapaça da tartaruga numa ilha tropical! ) outras vezes repetitivos, na maior parte das vezes são chatos...e um chato...é realmente chato.

     
  • At 6:05 da tarde, Blogger rodrigo said…

    Onde isto já vai...Estão de cabeça perdida!!!

    «Matilde Sousa Franco acusa Alegre de oportunismo»

    Manuel Alegre visita na próxima terça-feira a lota de Matosimhos, onde há dois anos aconteceu o incidente faltal que envolveu Sousa Franco, o marido de Matilde Sousa Franco.

    Apesar de sustentar de que não se trata de uma homenagem fornal, a candidatura de Manuel Alegre vai evocar a memória do ex-ministro das Finanças.

    Em declarações à TSF, Matilde Sousa Franco disse estar indignada, falando mesmo num acto de «oportunismo político». Por isso, espera que o candidato reconsidere a iniciativa planeada.

    «Eu fiquei completamente abismada perante uma situação destas. Não sei se é verdade, mas a ser exacta a notícia que vem no jornal de que o candidato Manuel Alegre quer ir a Motasinhos evocar a memória do meu marido, acho estranho», disse.

    «O meu marido era um homem de bem, toda a gente sabe que foi um grande amigo de Mário soares, estando certa de que, se fosse vivo, o apoiaria», acrescentou.

    in: TSF Online"

     
  • At 6:35 da tarde, Blogger Vitor Correia said…

    Homessa! Será que alguém queria desembaraçar-se de MS? Ele é que 'se pôs a jeito'...
    Tal como Álvaro Cunhal foi para o PCP, Mário Soares seria sempre 'a Pasionaria' do PS e, aí sim, poderia exercer um assinalável 'magistério de influência'... A meu ver, quem estragou tudo (ou quase tudo, isso ver-se-á), foi o próprio Mário Soares, num ataque de falta de lucidez que talvez venha a ser conveniente a alguns, mas não foi por eles provocado...

     
  • At 7:52 da tarde, Blogger António Torres said…

    Medeiros Ferreira é amigo da onça.
    Se Soares for até ao fim, será o seu enterro político.
    É isso que JMF pretende?

     
  • At 9:43 da tarde, Blogger joe indian said…

    Desembaracei-me dele antes de se candidatar. Desembaraço Alegre e popular.

     
  • At 11:55 da tarde, Blogger Arrebenta said…

    As Escutas

    Curiosamente, e num frenesi que há muito se não notava na sociedade portuguesa, voltou à luz o tema das escutas telefónicas.
    Suponho que não seja novidade para ninguém, excepto para os idiotas, os indecisos e os crentes na virgindade da Maria Elisa, que, em Portugal, e por todos os meios, desde há muito que toda a gente escuta toda a gente.
    Há nisto um factor sociológico, a meu ver, determinante: pela estrutura da nossa malha social, polícias e ladrões costumam vir do mesmo bairro, e suponho que assim fica o retrato integralmente traçado.
    Espantoso é que pessoas com responsabilidade na formação da Opinião Pública leiam o tema, "Altas figuras do Estado sob escuta", como um atentado à chamada "vida privada" dessas mesmas pessoas. Acontece que as altas figuras do Estado têm, ou deveriam ter, uma teia ética que se estendesse à sua própria esfera privada, como acontece no Mundo Civilizado, e o que nos deveria inquietar não era o facto de que houvesse escutas desgarradas, mas a simples suspeita de que essas escutas pudessem indiciar um envolvimento generalizado das mais altas figuras do Estado em assuntos reputados... turvos.

    A mim, como a qualquer português, interessa-me pouco saber em que "pizzaria" se faziam as encomendas gastronómicas de Paulo Pedroso ou Souto de Moura, e se era, ou não era, a mesma. Preocupa-me, sim, o que certas pessoas estavam a fazer, em Portugal, quando não estavam a comer "pizza", e pelo que se murmura por aí, faziam MUITAS, mas mesmo MUITAS COISAS.

    Igualmente me choca que um pasquim, chamado "24 Horas", surgido pelas mãos e dinheiros do Clã Pedófilo, para propalar uma infinita inocência dos pobres acusados, tenha, subitamente, honras de Estado, e seja tema de uma comunicação à Nação de uma figura que, embora eu considere pouco digna de apreço, ainda é o Presidente da República Portuguesa, e, logo a seguir, coadjuvado por aquele a quem os mesmos Portugueses concederam, por logro, ou não, o dever de nos Governar durante 4 anos.
    Para quem tem dúvidas sobre em quem se apoia o Eng. Sócrates, verifique quem eram aqueles de que ele se rodeava

    Isto é a paródia da Democracia, a paródia do Poder Judicial e a Paródia do Estado de Direito.

    Ingenuamente, sempre pensei que Souto de Moura, um dos homens que em Portugal tentou fazer o equivalente a uma "Operação Mãos Limpas", pudesse calmamente terminar o seu mandato. As forças sinistras, que, neste momento, a coberto da Campanha Presidencial, se estão a posicionar no nosso sórdido xadrez político, parecem estar a preparar-se para deixar a tarefa suja de escorraçar o Procurador-Geral da Republica, já não nas mãos de Soares, ou Cavaco, nossos eventuais futuros presidentes, mas num lúgubre pacote dois-em-um, do sai Sampaio e sai com ele o Ogre que tanto mal nos fez, inocentes políticos lusitanos...

    Tudo isto me seria indiferente, porque apenas mais um sinal da porcaria vigente, não fosse igualmente um evidente sinal do "Golpe de Estado" que inevitavelmente se irá dar em 22 de Janeiro: independentemente do vencedor, o Estado de Direito já está condenado, ou seja, a independência dos Órgãos Judiciais ficará definitivamente debaixo da alçada de um Poder Político turvo, cuja única função será a de branquear, "à portuguesa", como se nunca tivessem existido, os processos Casa Pia, Apito Dourado, Furacão, e quejandos.

    A 22 de Janeiro, não são Cavaco ou Soares que nos esperam: é tão só ISSO.

     
  • At 12:00 da manhã, Blogger lusitânea said…

    Espero que não andem a dar porções mágicas em demasia ao velhote pois ainda se pode ir abaixo DURANTE...tal a excitação...

     

Enviar um comentário

<< Home