Pulo do Lobo

segunda-feira, novembro 28, 2005

Culturas pouco gerais (ou "se em vez da oliveira ali tivessem plantado uma "Cidade do Sol" do Campanella eu não teria feito a pergunta")

Doutor Mário Soares - Que árvore é aquela ali?
Senhor não identificado - É uma oliveira, senhor Presidente.

Extraído de uma reportagem da TSF, em cobertura de mais uma das presidências abertas do Doutor Mário Soares, enquanto se passeava de carroça pela coutada de Mafra.

14 Comments:

  • At 2:09 da tarde, Anonymous Anónimo said…

    Grandes textos merecem grande visibilidade ...

    Aí vai um .. de alguém que pensa exactamente como eu

    "
    A auréola de democrata que erradamente se insiste em atribuir ao dr. Mário Soares tem sido contraditada pela sua própria conduta pública. Mas agora, velho, incontinente verbal a dizer o que dantes o coarctava a ambição e a evidenciar a sua verdadeira natureza, aí o têm a recandidatar-se a presidente da República.

    No que diz respeito ao Ultramar português, Soares esforçou-se de forma empenhada para que o processo se passasse como se passou. Contrariamente ao que diz e à fama que se auto-atribui.

    Em tempos de PREC, o dr. Soares cativava inocentes com promessas de consultas populares, a serem feitas cá, e lá, mas a verdadeira intenção era não perguntar nada a ninguém e entregar todo o nosso território ultramarino a elementos directissimamente ligados ao estalinismo soviético. Soares executou, objectivando-o, um desiderato do Partido Comunista. É assim deste personagem a responsabilidade pelo que considero ter sido, e ser ainda, a maior catástrofe nacional a destruição, traiçoeira e vil, de um ideal eminentemente português e a sequente, horrorosa e previsível mortandade que se seguiu.

    A gravidade deste horror indescritível vem ainda do facto de nunca ninguém ter investido Soares de poderes para dispor de território nacional. Nem mesmo isso seria jamais possível, por muito que invoque a legalidade revolucionária (que substancialmente não foi legalidade alguma, por se ter traduzido naquilo em que se traduziu destruição de Portugal). A partir daqui, o que se passou é da enorme responsabilidade de uma pessoa imputável há 81 anos e que dá pelo nome de Mário Soares. A "descolonização exemplar" foi "exemplarmente" criminosa, e é imperdoável, tendo em vista a sua enorme gravidade.

    Na nossa entrada na CEE o género continua. Depois de consultar técnicos, por si escolhidos, e aqueles o terem esclarecido de que não seria naquela altura, nem por aquele processo, que deveríamos entrar na então CEE, Soares, à revelia de tudo e de todos, comprometeu-se com Bruxelas e "implorou" que nos aceitassem. Segue-se a cedência de tudo a todos e o desprezo olímpico pelos pareceres que iam no sentido oposto.

    Para defesa do indefensável, Soares não se cansa de nos tentar convencer de que não haveria alternativas. Só que havia. E várias. A que escolheu era a pior. Todas eram melhores, incluindo a entrada na CEE, mas bem negociada.

    Soares, com o maior dos desaforos tem assumido atitudes quase majestáticas, como se tudo lhe fosse devido, reivindicando "direitos" que o têm colocado em ridículos patamares, como que a cobrar-se por uma resistência que está longe de ser a tal desgraça de que se queixa. Só que o que se deveria passar seria exactamente o contrário. Por razões de gravidade infinitamente menor das que vêm descritas em documentação vastíssima, e não desmentida, como na de Rui Mateus, entre outra, e pelo que está gravado na memória de centenas de milhares de espoliados do Ultramar, até o Ministério Público já, de alguma forma, se pronunciou. Havendo mesmo um notável parecer do prof. Cavaleiro Ferreira, eminente penalista, que por completo esclarece a situação. Mas o Dr. Soares, estranha, presumida e humilhantemente para todos, arroga- -se o direito de ter direitos que ninguém mais tem.

    Mário Soares está ainda longe de ter sido o responsável, como se diz, por vivermos neste simulacro de democracia. O que se passou foi que, no segundo 1.º de Maio depois de 74, quando Soares se pretendia juntar aos comunistas, foi por estes rejeitado. Só mais tarde, e por ter percebido que se não se afastasse do PC teria a sorte que tiveram as dezenas de centros regionais daquele partido, que foi terem ido pelo ar na sequência de reacções populares, aproveitou para inventar o chamado socialismo democrático, que nunca ninguém percebeu muito bem o que é, mas que é do que tem vivido até agora.

    Soares, como governante, foi ainda pouco menos que uma nulidade. Nos Governos Provisórios foi o desastre que se sabe. Em 1978 foi demitido pelo gen. Eanes por má governação. Em 1983-85 frustrou completamente os acordos de coligação com o PSD, que permitiriam a Portugal desenvolver-se e modernizar a economia. Em 1983-85, com Soares no poder, a inflação chegou a uns impensáveis 24% e o défice desses governos alcançou a vergonhosa marca de 12%! O País estava quase sufocado pela dívida externa e viveu, até essa data (1985), praticamente com as estruturas do Estado Novo e com empréstimos do FMI. Tudo por culpa da teimosia do dr. Soares que, obstinadamente, se recusava a rever a Constituição que permitiria uma liberalização da nossa economia. Facto este que estava previsto nos acordos de coligação entre o PS e o PSD em 1983. O radicalismo de esquerda, no Verão Quente, foi, mais uma vez, bem mais da responsabilidade de Mário Soares do que do PC, realidade que está na base do estado actual de Portugal.

    Por todas estas, e por muitas outras razões, Mário Soares é a figura política que mais e mais gravemente prejudicou Portugal em toda a sua existência. Outros terão tentado, como Afonso Costa, mas, graças a Deus, não conseguiram. Mário Soares conseguiu. Assim, e usando a expressão que ele próprio usou com um GNR que o servia, exijo-lhe dr. Mário Soares deixe-nos em paz. Desapareça."

    Afonso Henriques

     
  • At 2:32 da tarde, Blogger tiago mota saraiva said…

    Blogue de apoio a Jerónimo de Sousa: http://maislivre.blogspot.com/

     
  • At 2:41 da tarde, Anonymous Malv said…

    Hehehe, uma oliveira!! Se ainda fosse eucalipto, daqueles que secam tudo à volta...
    K.O. à cultura geral.

     
  • At 7:12 da tarde, Anonymous José Costa said…

    Sabe uma coisa Sr. Afonso Henriques, não é dgno do nome que ostenta porque esse nome faz jus sim ao nosso 1º. rei de Potugal, o bravo e indefectivel fundador da nossa nacionaldade, orgulho de todos os Portugueses.
    Mas este Sr. Afonso tem uma visão do mundo e da História tão retrógrada e tão confusa que só lhe falta apregoar na sua lógica passadista, que Salazar, o principal responsável pelo endémico atraso do nosso país durante quase 50 anos, terá sido o maior democrata do século XX da nossa História.
    Só que o tempo não volta para trás, por muito que lhe custe e por muitas lágrimas de crocodilo que continue a carpir.
    Oa ventos da História sopram na direcção do progresso social e o tempo é inexorável para com os espíritos anquilosados que se mumificaram com o tempo.
    A História evoca-nos o Passado, mas constrói-se no Presente para nos projectar no Futuro.
    E dos fracos (passadistas) não reza a História.

     
  • At 7:24 da tarde, Blogger sabine said…

    Desporto do Mário Soares: dar tiros no pé!
    Desporto do Cavaco Silva: iluminar os seus seguidores!

     
  • At 8:20 da tarde, Blogger Boris said…

    Outra de cultura:
    "Que anda a ler, Sr. Prof.?"
    "Um grande livro: 'A Utopia' de Thomas Mann."

     
  • At 9:57 da tarde, Blogger MCM said…

    Ah!Ah!Ah!

     
  • At 10:15 da tarde, Anonymous Anónimo said…

    Mais uma de cultura:
    "Que anda a ler, Sr. Prof.?"
    "Um livro de anedotas. É do Rui Mateus, sabe...?"

     
  • At 11:58 da tarde, Anonymous Anónimo said…

    As próximas novidades literárias devem ser publicadas ainda antes do Natal pela Editorial Pulo do Lobo Edições e dela fazem parte duas obras a não perder com previsível grande impacto não só anível nacional como internacional cujos títulos são :
    " A Autobiografia do Pai do Monstro" e " O Efeito das Raízes dos Eucaliptos na Vida das Pessoas ", da autoria do eminente e reputado professor de Economia Miguel Cadilhe, ex-ministro das Finanças do Prof. Cavaco Silva, candidato a PR.

     
  • At 12:59 da manhã, Blogger josé said…

    O Jorge Madeira é contra o super Mário e quer ver Cavaco na presidência?!

    Epá! Grande mudança! Parabéns, Jorge Madeira. Afinal, a converseta sobre a Fundação e o super Mário, num certo dia numa certa churrasqueira no CAmpo Grande parece ter dado resultado...ahahahaha!

     
  • At 4:39 da manhã, Blogger Salvador said…

    não queria perder a oportunidade de comentar um post do jorge Madeira. Já está: ora toma! :=) Muito bom.

     
  • At 11:20 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    Aquele Sr. Afonso Henriques, com todo o respeito pelo nosso 1º. rei de Portugal, ainda vive no tempo dos "afonsinhos" isto é no "Idade Média" das ideias, que como se sabe foi um grande período de obscurantismo que perpassou infelizmente por toda a época medieval até ao Renascimento.
    Acorde Sr. Afonso, estamos numa República em pleno século XXI.

     
  • At 1:36 da tarde, Anonymous LS said…

    Isto para mim mais não é do que uma prova irrefutável que das duas uma : ou Mário Soares padece mesmo de Alzheimer e não se pode põr daqui para fora porque também se esqueceu de onde é a porta de saída, ou não passa de um ignorante inculto que nem conhece uma das árvores mais típicas de Portugal...

     
  • At 2:45 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    Keep up the good work
    »

     

Enviar um comentário

<< Home