Pulo do Lobo

terça-feira, janeiro 17, 2006

Os ovos, os cestos e Mário Mesquita

Mário Mesquita tem repetido, na sua coluna dominical do Público, um argumento que alerta para um alegado "plano" de Cavaco. No Público de 8/1/2006, sintetiza-o da seguinte forma: a intenção de Cavaco seria facilitar a vida a Sócrates, numa primeira fase, enquanto este tomasse as medidas difíceis e impopulares; numa segunda fase, Cavaco impediria Sócrates de tomar as medidas populares previstas para o fim da Legislatura, preparando assim o terreno para entregar o poder ao PSD, "reconfigurado o seu rosto": desta forma, acrescenta Mário Mesquita, "os votos estarão todos 'no mesmo cesto' e a Direita ficará hegemónica em Portugal, pela primeira vez após o 25 de Abril, sem contra-pesos ou 'forças de bloqueio'".
Para além de revelar uma profunda desconfiança da capacidade de Sócrates em renovar a sua maioria, este é um argumento espantoso. No fundo, significa o seguinte: Portugueses (ou melhor, Portugueses de esquerda), não votem em Cavaco porque, em 2009, isso significará o perigo de "pôr todos os ovos no mesmo cesto"!
Para Mário Mesquita, no entanto, o facto de agora, no cesto de 2006, os ovos poderem ser todos "cor-de-rosa" ou "de esquerda", sem quaisquer "contra-pesos", é absolutamente irrelevante: a eterna arrogância moral da esquerda (que se auto-atribui uma superioridade sobre os outros e um papel de tutela ideológica sobre o regime democrático) está sempre a vir ao de cima...

1 Comments:

  • At 9:15 da manhã, Blogger Pedro Sá said…

    Não tivéssemos a direita mais estúpida da Europa (e que, ainda por cima, ainda pensa em registo salazarista) e isso era totalmente desnecessário...

     

Enviar um comentário

<< Home